14 de dezembro de 2009

Só um pedacinho do final de semana…

fotoscelular 004
(A chuva que caiu em Curitiba no sábado – 12/12. Deu até saudades de Belém…)
Foto que eu tirei no Jardim Botânico

Como havia dito, eu fui com amasiado, mas ele não ficou comigo. Ele foi para estudar e eu para passear. Portanto, minha programação foi independente dele.
Eu já havia me apercebido disso, mas agora quero dividir a impressão.
Viajar sozinha é uma espécie de meditação. Quando se está só em um lugar desconhecido é como estar consigo mesmo de fato, sem roteiro, sem guia, sem mapa. É você e sua intuição.
Lembro que estar só (mas não solitária) nunca foi problema para mim: sempre fui ao cinema sozinha, morei sozinha durante muitos anos, aprendi a cuidar de mim, a estar comigo mesma. Mas quando esse movimento é consciente, ele torna-se precioso… Não há aborrecimento (não tem ninguém pra discordar de você), não há pressa, há apenas a vontade de seguir em frente, de chegar a algum lugar. Neste movimento, revi a Ivana de 15 anos atrás, deslumbrada com Curitiba. Tanta coisa mudou de lá pra cá. Eu mudei. Nem a cidade é mais a mesma, mas não perdeu a graça e o encanto...

Me diga: você também já viveu a experiência de viajar sozinho(a)?

10 comentários:

Déia disse...

Oieee

Menina, eu sou um pouco " caipira" pra isso!

Ate vou ao cinema, restaurante , show sozinha, mas viajar nunca..

Só se fosse encontrar alguem.. sou medrosaaaa rsrsrs

Linda, hj tô no céu : http://aceuabertodaboca.blogspot.com/
Passa lá pra me ver?

bj

Bia Mendonça disse...

Oi Ivana!

Nossa, eu estou super atrasada com o seu blog, mas quero colocar tudo em dia!

Acho que nunca viajei sozinha sozinha mesmo. Sempre fui com amigos, ou família. A única viagem que poderia dizer que foi sozinha foi a primeira vez que fiz intercambio. Fui sozinha para a nova zelandia, mas mesmo assim não estava sozinha sozinha. Tinha a familia com quem eu morava, os amigos da escola.... será que assim conta? ;)

bjs

Elaine Barnes disse...

Que bacana amiga! Acho hiper importante essa independência. Estar consigo mesma e sentir-se feliz. As coisas mudam e nós também. O amadurecimento as vz faz com que algumas coisas percam a graça e o que antes não tinha graça nenhuma torne-se muito importante. Ãdorei! bjão

Blog da Fatima disse...

Ivana...
Primeiro respondendo a pergunta que me deixou lá no meu halos...
O Buda Sussurrador é mesmo o Xuxa intragável da Fazenda. O criatura insuportável!!

Mas eu tbem adoro estar com a minha cia, adoro viajar sózinha. Em março tiro férias e me vou ao mundo!!
Nada melhor que sair sem hora pra voltar, sem lugar certo pra chegar!
É tudo de bommmm....

Boa semana

Bjos no ♥

Elaine disse...

Ivana,
Viajar própriamente não, mas há alguns anos eu fui a um congresso da Renovação carismática em Marília, oeste do estado. É bem longe, e fomos de ônibus. Conhecia todo mundo, éramos irmãos de comunidade mas marido não foi e isso me deu uma liberdade bem grande. Fiquei os 5 dias sozinha, em meio a uma multidão de 10 mil pessoas. E foi maravilhoso, só via meus amigos na hora de dormir.
Tenho lembranças maravilhosas desses dias, do crescimento interior que foi, e do quanto me encontrei com Deus. Parecia que érmaos só eu e Ele...
Vixe, fui longe agora rs
Beijos, querida.

Mila Viegas disse...

Sim, ja viajei sozinha e senti a mesma coisa que você. Principalmente quando vamos para um lugar que não conhecemos, parece que de alguma forma nos reconectamos conosco. Realmente é uma espécie de meditação lúcida!
A primeira vez encontrei pessoas lá, pessoas que ainda não conhecia pessoalmente.
Da segunda vez fiquei literalmente sozinha, durante a viagem inteira e a estadia.
É muito interessante a sensação. E dessa segunda vez, minha passagem estava marcada para um horário que me fez esperar por horas antes de embarcar. Comprei um livro e fiquei lendo para passar o tempo, depois fiquei passeando e olhando as coisas, tirando fotos, etc.
Adorei as duas experiências!!!

Beijocas

Beth/Lilás disse...

Oi, Maninha!
Sim, já me vi nesta situação também.
E faço muitas outras coisas só, pois isto nunc foi problema para mim, às vezes fico até enrolada de fazer com o marido ou mais alguém, como por exemplo, compras em shoppings, acabo não comprando nada.
A viagem que fizemos jntos à Londres, no início foi mais ou menos assim, ou seja, ele ficava trancafiado numa sala de reuniões do hotel e eu explorando as redondezas. Adreoi! Fiquei como vc disse, em alguns momentos até emocionada com aquilo, estar vendo tanta coisa linda e gravando só pra mim, nas minhas retinas, depois mostrei a ele em fotos, mas lembro-me foi um momento único, raro e precioso.
Acho tudo isto fantástico, prova que nascemos sós e morreremos sós também, mas o melhor de tudo é saber que tem sempre uma pessoa esperando por nós, em vida, claro!

Lindas as tuas reflexões sobre o tema!

bjs cariocas

Tatá disse...

Mana, já viajei sozinha, mas pra ficar na casa de parentes. A sensação de viajar de avião sozinha a primeira vez é esquisita... Ainda mais pra mim que sempre viajei com família, papai, mamãe e irmão...
Odeio sentar em lugares públicos pra comer sozinha, pra cinema fui apenas uma vez só... Mas ficar em casa sozinha é o que há!!!
Bjocas, mana!!!

Bel disse...

Já. Mas foi a trabalho, pra apresentar trabalho em congresso, pra fazer curso... nunca pra passear. Será que é bom???? Sabe que eu não quero experimentar?

A pior vez foi qdo fui a São Luís, e no final de um dos dias percebi que eu não havia falado COM NINGUÉM o dia inteiro, nem no celular. Assisti um congresso muito massa, mas me senti absolutamente solitária. Gostei não.

Beijo!

Lúcia Soares disse...

Oi, Ivana. Boa estada aí, nessa Curitiba, pertinho da minha filhota (ela mora em Londrina). Pelo menos é mais perto do que daqui até lá!
Gosto muito de ficar sozinha, mas viajar nunca viajei. Viajo sozinha, num voo ou num ônibus, mas o destino final é chegar em casa de alguém. Mas enfrentaria, sim, uma viagem sozinha. Acho ótimo estar comigo mesma! Bj