18 de julho de 2009

Bendito seja o Sedex 10.

"O que seria desta pobre alma papachibé não fosse o sedex 10?"
Esta é uma pergunta que me faço todas as vezes que chega aqui em casa O isopor que minha amada avó me manda, pelo menos 3 vezes ao ano (no mínimo, na verdade). Paraense que é paraense, daquele do dente roxo de açai, sabe bem do que falando.

(Só pra situar os jàmêvusenses, sou paraense, mas moro em Florianópolis desde 1998)
Púsantão. Voltemos ao isopor: aqui em casa fazemos um revezamento familiar para abastecer os dois cúitadinhos (eu e Aurélio - o amasiado) do item que NÃO PODEMOS FICAR SEM: farinha de mandioca. Prenferencialmente da baguda. Uma vez manda a família dele e outra vez a minha. Cúnforme o tamanho da saudade as famílias vão acrescentando uns agrados a mais que podem variar entre: bombons de cupuaçú; vidros de perfume (que aqui em casa chamamos de chêga-te!) comprados na baiúca da D. Cheirosa no Ver-o-peso; maniçoba (congelada); pata de caranguejo; açai (tb congelado), pupunha, piquiá, etc, etc. Opções não faltam pra matar a nossa vontade.
No último que recebi, uma surpresa: mingal de milho! Quase tive um pirirí! A última vez que tomei uma pratada foi nesta época da foto...
Nem preciso dizer que meti o pé na jaca até a coxa...
Os leitores paraenses, que moram forá do Pará, também costumam receber estes "mimos" em casa?

PS: Aliás, manazinha, o que tu vás querer que eu leve pra ti? Que tal uns sabonetes Phebo, odor de rosas? Só não prometo um isopor desses. Vai que me mandam de mala e cúia de volta pro Brasil...

9 comentários:

Roseane, disse...

Ah eu não ganho nada lá daquelas bandas não...meu povo parece que é muquirana sabe...mas minha irmã mandou um pacote de bolacha, uma quadradinha que eu adoro...uma vez em 2 anos e meio morando fora do Brasil. Mas a gente vai se acostumando com as coisas mesmo, embora a saudade seja permanente. Bjks e bom findi!!!

Déia disse...

Oiiii, vim te conhecer e ja estou te seguindo!!
Eu tb não vivo sem sedex 10..Adoro dar presentes pros amores da minha vida!
Ótimo fds
bjs

Ivana disse...

Oi Déia! Ah, foi a primeira coisa que vi: vc aqui, como a mais nova Jámêvúense! Fiquei na maior pavulagem agora!
Pois é, graças a este tár de sedex 10 o que minha vó manda ainda chega congelado! Já descongela direto na panela! ;-)
Beijos!

Ivana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ivana disse...

Aaaaah, Rosane, nummediz!! Como diz minha avó "num pode sê mão de mucura assada, minha filha!". Se bem, maninha, que um sedex (ou seja lá o que for) prai pras tuas bandas, deve custar o zóio,né?
Beijos!

Anunciação disse...

Deve ser muito gostoso nos dois sentidos,receber essas "lembranças",rs.

Fábio Mayer disse...

Essa solidaridade alimentar é parte da cultura brasileira. Conheci um mineiro que pedia pra a família mandar doce de leite para a INglaterra... eheheh!

Ciça Donner disse...

ahhahahahaha eu sabia que isso aqui ia prestar!!!

Mana, em um mundo de "namoridos", "Bem" e "Vida", "O AMASIADO" é pra lá de horiginal hahahahahahah

Bel disse...

* Eu também ri sozinha do "amasiado" !!! Ainda hoje falei sobre "Namorado"...

* Quando morei em Recife (déeeecadas atrás) mainha mandava uma vez por mês um "bocapio" (sabe o que é?) cheio de coisinhas regionais: tapioca, farinha, carne do sol... Na época não tinha sedex, ela mandava via Varig, é mole???

* Viagem chegando... te vira com o frio, mana!!!